PESQUISAR

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Tenho que admitir: sou eclética

Desde que aprendi o significado da palavra eclética com relação a gosto musical, eu descobri que sou isso. O problema é que fui ficando meio que com vergonha de admitir isso, porque quando alguém pergunta que tipo de musica você gosta e você diz que é eclético, automaticamente ela vai pensar que você gosta de todos os funks, sertanejos e pagodes.

Então eu simplesmente digo que "ah, gosto de várias coisas" mas na verdade o que eu queria mesmo era ter a capacidade sobrenatural de listar especificamente todas as musicas que eu gosto, porque eu adoro o axé da Ivete Sangalo mas dispenso completamente o axé do Parangolé. Não suporto o "Ai, se eu te pego" do Michel Teló mas adoro a "Humilde Residência" dele. Sou apaixonada por musicas de velho tipo Biquini Cavadão mas não admito dizer que a minha geração musical tá perdida quando os meninos do Nx Zero estão aí.

Sim, esse é o grande problema de generalizar mas é meio que inevitável não só na musica como em qualquer coisa. Superada essa etapa, ultimamente eu responderia que "gosto de basicamente tudo, menos funk" simplesmente porque nenhum funk que eu ouvi me agradou. Aliás, não que não me agrade: eu não suporto ouvir.

Não nego que tive minha fase de gostar da "Glamurosa" do MC Marcinho, da "Festa" do Léozinho e do funk mellody da Perlla (e fiquei feliz de verdade que ela agora é cantora gospel) mas meu vizinho de trás faz questão de sempre me lembrar que não tem mais esperança pro funk.

Acontece que tem, sim! Argumento número 1: Os vendedores ambulantes que apareceram no programa da Regina Casé (clique aqui para assistir). Liguei a TV pra assistir a Sandy (Aquela irmã do Junior e filha do Xororó, isso mesmo) e me encantei com esses vendedores que tem criatividade pra vender seus produtos e ainda tornam o funk algo agradável.

Argumento numero 2: lek lek lek lek lek. Sim, aqueles meninos do youtube. É repetitiva e gruda na cabeça, mas é legal. São meninos dançando e se divertindo e isso é suficiente pra eu gostar da parada.

9 comentários:

kentsu disse...

Adorei seu post! Penso muito parecido... inclusive o lek lek! É algo de tribal! Onde as pessoas simplesmente se divertem! Vejo cada um deles se divertindo! Sorriso no rosto! Espontâneo!

kentsu disse...

A Regina jogando esfirra mordida para a platéia é muito bom... hahah

E você... está mais solta nos seus post's !!! Já é Letras ?! rsrsrs

Rebeca Kim disse...

A Regina é ótimaaa!!! hahahauahu

Não, só estou sendo bombardeada de noticia que vale a pena ser falada!! hahaha Já viu The Lizzie Bennet Diaries???

kentsu disse...

Ainda não vi Lizzie pois estou tentando baixar Touch (adoro esses temas)... Uffa! É muita informação! Legal!

Rebeca Kim disse...

Veja Lizzie, é muito rapidinho!!

Jaqueline K. disse...

Acredito num gênero que sempre irá nós atrair mais que os demais , mais ser refém de um único gênero é tolice. É como só assistir filme de terror , ou só ver filmes ações , quando poderia se divertir com comedia , aprender algo com um drama , ou se impressionar com um suspense.


Ser eclética ( mesmo tendo suas preferencias ) pode significar curtir o bom que há em cada gênero ( segundo sua opinião).


Curti aqui Rebeca , estou te seguindo.

Beijo

Rebeca Kim disse...

Exatamente, Jaqueline! Muito obrigada e volte sempre. Beijos

kentsu disse...

Só percebi agora que você alterou a cara o Blog! Ficou muito legal!

Rebeca Kim disse...

como assim, só percebeu agora que eu alterei? já estou enjoada desse porque tá assim há muito tempo!! impossivel você só ter notado agora!